Postagem em destaque

Os livros encaixotados em Palmeira dos Índios e o legado de Graciliano

Palmeira dos Índios virou notícia nacional, com a divulgação, pela Controladoria Geral da União (CGU), de que mais de 13 mil livros estão...

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

SINDICALISTA LEMUEL RODRIGUES RECEBE DIPLOMA DE HONRA AO MÉRITO DO CPC/RN

Ainda em Mossoró, hoje (6) pela manhã, Eduardo Vasconcelos - CPC/RN, esteve se reunindo com o professor da UERN e ex presente da ADUERN , Lemuel Rodrigues e logo um rápido bate papo descontraído, tendo como testemunha vários alunos seus.

Eduardo Vasconcelos levou aos presentes a importância do professor Lemuel para o movimento sindical e para os movimentos dos professores. Uma correta, direta, sabe o quer, um parceiro do CPC/RN e na luta pelo Campus da UERN em Nova Cruz!

Após esse diálogo, Eduardo fez a entrega simbólica do DIPLOMA DE HONRA AO MÉRITO ao Lemuel Rodrigues, ao lado seus alunados. Foi emocionante! Merecedor da honraria.

Logo após a entrega, o representante do CPC/RN se deslocou para a cidade de Parelhas, Região do Seridó para participar a convite na Comunidade Quilombola BOA VISTA DOS NEGROS. 

Cachaça é tema de vários circuitos turísticos pelo Brasil; programe-se

cachaca
Uma das bebidas mais antigas do País é também preferência nacional. A cachaça começou a ser produzida no Brasil com a vinda dos portugueses, nos engenhos de açúcar, em 1516. Hoje, a bebida é fabricada em diversas regiões que integram um circuito da cachaça.
Um dos principais destinos dos apreciadores da aguardente é Minas Gerais, que instituiu o Circuito Turístico da Cachaça nas cidades de Salinas, Taiobeiras, Rubelita, Fruta de Leite e Indaiabira.
Em Betim (MG), os visitantes podem conhecer o Museu da Cachaça, com mais de dois mil exemplares, além de expor a produção da bebida em alambiques. Em julho, o governo do estado realiza o Festival Mundial da Cachaça, em Salinas (MG).
No Piauí, o município de Castelo do Piauí (PI), maior produtor do estado, também promove um festival para degustação da bebida, o Cachaça Fest.
No brejo paraibano, a cidade de Areia (PB) preserva a herança colonial com diversos engenhos ainda em atividade. O Museu do Brejo Paraibano destaca a cultura relacionada à cana-de-açúcar, e funciona em uma antiga fazenda.
Já em Paraty (RJ), desde 1982 ocorre a Festa da Cachaça, sempre no mês de agosto. Trata-se de uma das mais tradicionais da cidade, em que os alambiques abrem as portas ao público.
História
No período colonial, após a cachaça ultrapassar o número de vendas da bagaceira (bebida alcóolica portuguesa), a Corte portuguesa proibiu a produção e a comercialização do produto no Brasil, o que gerou uma rebelião encabeçada por fazendeiros e produtores da bebida.
Nascia assim, em 13 de setembro de 1661, a Revolta da Cachaça, movimento que abriu caminho para a legalização do destilado no País. A data ficou marcada como o Dia Nacional da Cachaça. O destilado é obtido pelo aquecimento do caldo da cana-de-açúcar, e hoje é considerado patrimônio histórico e cultural do País.
Atualmente, o Brasil produz, por ano, quase 800 milhões de litros da bebida e conta com cerca de dois mil estabelecimentos e quatro mil rótulos de aguardente registradas no Ministério da Agricultura. Entre os principais estados produtores estão São Paulo, Pernambuco, Ceará, Minas Gerais, Paraíba e Espírito Santo.
Fonte: Governo do Brasil, com informações do Ministério do Turismo e Prefeitura de Areia (PB)

Festa do Círio de Nazaré espera 77,6 mil turistas neste ano


cordadocrio
As procissões do Círio de Nazaré de Belém (PA) começam nesta sexta-feira (6), com expectativa de atrair cerca de 77,6 mil turistas à capital para homenagear Nossa Senhora de Nazaré, padroeira dos paraenses.
No total, 2 milhões de devotos devem participar dos festejos, que são a mais importante celebração religiosa do estado e uma das maiores do mundo. A festa também é considerada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) desde 2013.
A tradição, iniciada em 1793, dura 15 dias e tem a procissão principal no segundo domingo de outubro, no dia 8. A comemoração começa com missa presidida pelo arcebispo de Belém e, em seguida, ocorre a procissão, que percorre os bairros da Cidade Velha e Nazaré. Ao longo do trajeto há apresentações de corais, canto lírico e hinos de louvor à Santa, em um movimento cultural e religioso que mobiliza toda a população da cidade.
Neste ano, segundo estudo da Secretaria de Estado de Turismo (Setur-PA) e do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese-PA), o gasto médio dos visitantes deverá alcançar US$ 29,1 milhões, aproximadamente R$ 91 milhões. Os romeiros vêm, em sua maioria, do Maranhão (17,3% em 2016) e do Rio de Janeiro (13,3%).
História
A história do Círio começou com o achado de Plácido José de Souza, o caboclo Plácido. Um dia, caçando no igarapé Murutucu, ele viu a imagem da Santa entre as pedras. O homem levou a imagem para casa e montou um altar simples. No dia seguinte, porém, a estátua sumiu. Plácido foi procurá-la às margens do igarapé, e a encontrou no mesmo lugar que estava anteriormente, entre as pedras. Segundo a tradição, a Santa voltou outras vezes ao local, onde foi construída a primeira ermida.
Um dos elementos mais conhecidos do evento é a corda utilizada para puxar o carro que transporta a Imagem da Santa, que representa uma ligação com a Virgem. Os milhares de romeiros segurando a corda formam uma espécie de cinturão que protege a berlinda (local onde a imagem peregrina).
Outra tradição cultural do festejo é o chamado almoço do Círio, em que as famílias se reúnem no dia da procissão principal. O cardápio é composto de comidas típicas como o Pato no Tucupi (pato ao molho de tucupi, caldo extraído da mandioca, e jambú, uma folha de sabor peculiar) e Maniçoba (uma feijoada amazônica com todos os ingredientes, mas no lugar do feijão vai a maniva – uma massa feita com folhas da mandioca).
Corda do Círio de Nazaré

Programação
Dia 6 (sexta-feira)
  • Encerramento da Vigília de Adoração: 6h30; Capela Bom Pastor
  • Missa do Traslado: 7h; Basílica-Santuário de Nazaré
Dia 7 (sábado)
  • Romaria Fluvial: 9h; Trapiche de Icoaraci
  • Descida da Imagem: 12h30; Basílica-Santuário de Nazaré
  • Missa da Trasladação: 16h30; Colégio Gentil Bittencourt
Dia 8 (domingo)
  • Missa do Círio: 5h; Catedral de Belém
  • Círio de Nazaré: 5h30; Catedral de Belém
  • Programação Cultural/Círio Musical: 20h30; Concha Acústica (até dia 22)
Dia 22 (domingo)
  • Missa de Encerramento do Círio: 18h; Basílica-Santuário de Nazaré
Dia 23 (segunda)
  • Subida da Imagem: 5h30; Basílica-Santuário
Basílica de Nossa Senhora de Nazaré

Fonte: Governo do Brasil, com informações da Prefeitura de Belém (PA), do Governo do Pará, da Unesco, da Diretoria da Festa de Nazaré e do Iphan