Postagem em destaque

Os livros encaixotados em Palmeira dos Índios e o legado de Graciliano

Palmeira dos Índios virou notícia nacional, com a divulgação, pela Controladoria Geral da União (CGU), de que mais de 13 mil livros estão...

terça-feira, 15 de agosto de 2017

UNE e UEE-SP empossam nova gestão 2017/2019 na SanFran

Diretas Já e defesa da educação pública e gratuita serão principais bandeiras da juventude
por Cristiane Tada.Os oitenta diretores que ficam à frente da União Nacional dos Estudantes pelos próximos dois anos tomaram posse nesta última sexta-feira (11), dia do Estudante. Em ato conjunto a nova diretoria da União Estadual dos Estudantes de São Paulo (UEE-SP) também foi empossada.
O ato no Largo São Francisco, coração de São Paulo, teve a presença de movimentos sociais, parlamentares, entidades do movimento educacional e artistas que saudaram vida longa aos 80 anos da UNE. Ex-presidentes da entidade também vieram prestar a sua homenagem.
A presidenta da UNE, Marianna Dias, afirmou que a ideia de tomar posse em praça pública e não em um auditório, se deu por conta do momento político que o Brasil vive em que os estudantes precisam mostrar a sua cara.
Para ela o papel da UNE, o maior desafio é encantar cada jovem brasileiro da sua missão de defender o Brasil. “Não combina com os estudantes desistir perante as dificuldades, porque somos a UNE que derrubou a ditadura militar e que fez a liberdade raiar nesse país e será pelas nossas mãos que nós vamos reestabelecer a democracia, que nós vamos gritar bem alto que nós queremos e que vamos votar para presidente da República e que sobretudo nós não permitiremos que a universidade pública, que o Fies e ProUni sejam destruídos, porque nossos sonhos não tem preço e não pagaram pela crise”.
Marianna Dias, presidenta da UNE

Para vice-presidenta Jessy Daiane, os golpistas tiraram o povo do jogo e “a tarefa da UNE é colocar o povo e os estudantes na cena da política, pra jogar nessa partida, recolocar o povo nas ruas, dando centralidade a luta de massa, as ocupações e aos atos de rua”.
Já a secretária-geral da entidade, Mariana Jorge lembrou na necessidade de proteger um legado que colocou a classe trabalhadora dentro da universidades, culminando em uma mesa diretora feminista e Nordestina. “Para defender esse legado precisamos combater essa ameaça privatista e neoliberal”, afirmou.

OCUPAÇÃO DA CÂMARA

O dia foi de celebração completa. Desde cedo os estudantes paulistas comemoravam o fim vitorioso da ocupação da Câmara dos Vereadores da capital. Contra o projeto de privatização da cidade, e o corte no passe-livre estudantil, estudantes tomaram a casa legislativa e resistiram por 48 horas.
“Já iniciamos o período com a juventude cumprindo seu papel de resistência e luta. Saúdo a unidade dos movimentos para barrar o golpe e os projetos que estão em curso e cortam nossos direitos e afrontam a sociedade”, destacou a presidenta da UEE-SP, Nayara Souza.
Já o vice-presidente da UEE-SP, Diego Pandullo, lembrou que além do dia do estudante, no dia 11 se comemora o dia do advogado e dia da Advocacia, bem como 190 anos do CA XI de Agosto do qual faz parte. “Eu não podia deixar de lembrar da hipertrofia do poder judiciário, desse ativismo judicial desenfreado por parte de um poder aristocrático que não foi constituído nas ruas e não tem controle social, que é cada vez mais seletivo e arbitrário. Esse poder judicial está inscrito numa lógica de perseguição as organizações de esquerda e criminalização dos movimentos sociais e por isso temos que estar atentos”.
Diego, vice-UEE/SP; Marianna, presidenta da UNE, Carina, ex-presidenta; Jessy, vice UNE, Mariana, secretária-geral UNE

 

Supremacistas brancos nos EUA deixa ao menos 1 morto e 33 feridos...



Grupos racistas e rivais se enfrentam nas ruas de Charlottesville com socos, chutes e golpes de bastões de pau e ferro; motorista joga carro sobre multidão e pelo menos uma pessoa morreu e outras 33 ficaram feridas neste sábado (12) em um protesto de supremacistas brancos na cidade universitária de Charlottesville, no Estado americano de Virgínia.

Durante o confronto, um homem atropelou um grupo de pessoas que protestava contra a marcha da extrema-direita dos EUA, que é contra negros, imigrantes, gays e judeus. A vítima, que segundo a imprensa norte-americana uma mulher de 32 anos, não teve a identidade divulgada.

-Além disso, dois policiais morreram na queda de um helicóptero perto do local dos confrontos. A informação foi confirmada pelo Departamento de Polícia de Charlottesville.

Se liga: Pouco antes, o governador da Virgínia (EUA), o democrata Terry McAuliffe, havia declarado estado de emergência para “ajudar na resposta do poder público” à onda de violência, que começou na noite de sexta-feira por causa de uma manifestação de militantes nacionalistas e racistas de direita contra a retirada de uma estátua do general Robert E. Lee, líder dos confederados na Guerra Civil americana. Horas depois, um carro atropelou uma multidão que protestava no centro da cidade, deixando vários feridos – o número não foi divulgado.

O presidente Donald Trump em seu pronunciamento disse: “Nós devemos TODOS estar unidos e condenar tudo o que representa o ódio”, escreveu em mensagem no Twitter. “Não há lugar para esse 


tipo de violência na América”, disse.Segundo o site TMZ, o motorista do veículo era James Alex Fields Jr, de 20 anos, natural de Ohio. Ele já foi preso e acusado formalmente de assassinato em segundo grau. O jovem, residente em Maumee (Ohio), está detido na prisão do condado de Albermarle-Charlottesville. O chefe de Polícia da cidade, Al Thomas, afirmou em coletiva de imprensa que o atropelamento foi um ato premeditado.

Fontes no Hospital da Universidade da Virgínia informaram que outras 19 estavam sendo atendidas após terem ficado feridas no atropelamento.



Estudo revela que 50% das vítimas de homicídio nos EUA é negra
De acordo com a ONG, que considera que se trata de um problema com características de “crise nacional”, o foco dos esforços para reduzir os números de homicídios nos Estados Unidos passa por “reduzir o acesso e a exposição às armas de fogo”. O estudo, segundo a VPC, foi elaborado a partir dos dados mais recentes do FBI sobre o tema, contidos no “Relatório Suplementar de Homicídios” até agora não publicado e correspondente ao ano de 2013.

Nesse ano, 6.217 negros foram vítimas de homicídio, o que significa 16,91 para cada 100 mil habitantes, enquanto no caso dos brancos a taxa foi de 2,54 para cada 100 mil. A taxa nacional de homicídios foi em 2013 nos Estados Unidos de 4,27 por 100 mil. A maioria das vítimas é homem (87%) e a idade média é 31 anos.

Para a VPC, esses números mostram a “devastação” que os homicídios estão causando entre os adultos e as crianças negras, uma comunidade à qual pertence 13% da população do país.

Ao todo, 84% dos homicídios de negros que se tem conhecimento foram cometidos com arma de fogo. Em 72% dos casos o autor do crime era alguém conhecido da vítima.

Na metade dos casos contabilizados em 2013 nos quais a vítima era negra houve uma discussão antes. Dos 6.217 negros assassinados em 2013, 140 o FBI classifica como “justificado” pela lei, ou seja, cometido por policiais. A VPC não indica se houve casos “injustificados” nessa mesma categoria e lembra que o FBI prometeu fornecer em 2017 mais dados sobre as mortes de negros provocadas por agentes da lei.
O estado com maior índice de homicídios com vítimas negras em 2013 foi Indiana (34,15 por 
cada 100 mil), seguido do Missouri (30,42) e Michigan (30,34).

“No Brasil é normal ser racista, anormal é lutar contra isso”
O racismo no Brasil é escancarado: O racismo no Brasil pelo olhar de quem vem de fora: documentário Open Arms, Closed Doors aborda o problema do nosso racismo disfarçado.

Discutir o racismo na sociedade brasileira sempre é um assunto controverso. Para início de conversa, uma parcela significativa da nossa população insiste em dizer que este é um problema que não enfrentamos. Somos miscigenados, multirraciais, coloridos. Como um país assim pode ser racista?

Foi essa a pergunta que o angolano Badharó, protagonista do documentário “Open Arms, Closed Doors” (Braços Abertos, Portas Fechadas – vídeo no fim do texto), que dirigimos para a rede de TV Al Jazeera e que será veiculado a partir de hoje em 130 países, se fez quando chegou ao Brasil em 1997 esperando encontrar o Rio de Janeiro que ele via nas novelas.

Badharó é um dos milhares de angolanos que vieram viver no Brasil. Depois de fugir da guerra civil no seu país de origem, escolheu aqui como novo lar – um país sem conflitos, alegre, aberto aos imigrantes e cuja barreira da língua já estava ultrapassada à partida. Foi parar no Complexo da Maré, onde está localizada a maior concentração de angolanos do Rio de Janeiro.

O racismo está desde o genocídio da população negra provado por números, até na ausência dos tons de negro nas maquiagens. Então concordo, sempre que uma pessoa negra é agredida, todos nós 
somos. Entretanto reagíamos a isso de forma distinta. Tem pessoas que perdoam, tem pessoas que fingem que não aconteceu, tem pessoas que ficam deprimidas...

Para quem defende que o Brasil não é um país racista, vale ouvir o que ele, um imigrante negro, tem a dizer sobre a nossa sociedade. Badharó não nasceu aqui, não carrega nossos estigmas, não foi acostumado a viver num lugar em que muitos brancos escondem a bolsa na rua quando passam ao lado de um negro. Depois de 15 anos vivendo numa comunidade carioca, ele tem conhecimento de causa suficiente para afirmar: “O Brasil é um dos países mais racistas do mundo, mas o racismo é velado”. O documentário segue a rotina deste rapper de 35 anos e mostra o dia a dia de quem sofre na pele uma cascata de preconceitos, por ser pobre, negro e imigrante.

Nós negros ainda temos muita dificuldade de agir, porque a lei é falha e engloba atos como esses em injúria e porque nos falta recursos  ou porque fingimos que ele não existe porque ainda aceitamos que
o racismo seja naturalizado acreditando que a problema é o negro e não o racista, só mudando essa lógica que vamos fazendo com que as estruturas não se mantenham intactas.
REBELE-SE CONTRA O RACISMO!
Um afro abraço.
Claudia Vitalino.
Fonte:www.correiodacidade.com.br/https://brasil.elpais.com - fotos internet