Postagem em destaque

Dia Nacional da Consciência Negra - 20 de novembro - pode virar feriado em todo o país

O movimento negro luta há bastante tempo para que o Dia Nacional da Consciência Negra - 20 de novembro - seja realmente nacional. Na úl...

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Colóquio sobre a Arte e a Revolução de Outubro dia 16 em São Paulo

938056d99bbcddf439aa25da429b9ecf112134
O programa do Colóquio Arte & Revolução terá como foco a arte russa e seu importante papel influenciador dos movimentos artísticos do século XX. Os temas, com seus apresentadores, são estes:
Cinema soviético: apresentação de Jeosafá Fernandes, doutor em Letras pela Universidade de São Paulo, cineclubista de longa data e estudioso do cinema russo. Jeosafá também é poeta e escritor.
Pintura realista russa: apresentação de Mazé Leite, artista plástica, bacharel em Letras-USP e pesquisadora de história da arte e de pintura russa. Do Ateliê Contraponto de Arte de São Paulo.
A poesia de Maiakovski: apresentação de Alexandre Pilati, doutor pela Universidade de Brasília, poeta, crítico literário e escritor. Professor de Literatura Brasileira na UnB.
Este é um momento de grande importância para os trabalhadores de todo o mundo, assim como para seus aliados do campo político, intelectual e cultural. A Revolução de 1917 foi o acontecimento mais importante da história do século XX, trazendo para todo o globo as fortes e luminosas cores do Socialismo sendo construído pela primeira vez em um grande país como a Rússia. Este evento inspirou ondas de movimentos revolucionários em todo o planeta, carregando consigo o sonho e a esperança de um mundo justo, socialista. Sonho que inspirou não só os trabalhadores das cidades e dos campos, mas também diversas gerações de intelectuais e de criadores em geral no campo da Cultura e da Arte.
Célula

O Partido Comunista do Brasil, nascendo em 1922, surge como fruto desse amplo movimento revolucionário, aqui também atraindo para dentro de seus quadros milhares de trabalhadores, de intelectuais e de artistas. O Partido Comunista, em terras brasileiras, inspirou movimentos culturais de grande profundidade e alcance, marcando indelevelmente as nossas artes e a nossa cultura.

Célula Comunista de Cultura Paulistana, que nasceu em 2010, é um Organismo de Base do PCdoB que vem atuando ininterruptamente ao longo destes sete anos, reunindo poetas, cineclubistas, ilustradores, quadrinistas, pintores, jornalistas, escritores e professores em torno de atividades políticas e culturais. Como base de atuação partidária – em acordo com o modo leninista de funcionamento do Partido Comunista – nestes 7 anos desenvolvemos diversas atividades culturais, entre elas:  criação do Forum Mudar São Paulo de Cultura e Educação; lançamentos de livros; exposições de arte; sessões de cinema seguido de debates no Cineclube Baixa-Augusta e recentemente no Cineclube Vladimir Herzog do Sindicato dos Jornalistas; seminários internos sobre temas atuais, como pós-modernidade, educação, cultura popular; seminários abertos como os em homenagem a Jorge Amado e Nelson Weneck Sodré, em parceria com a FMG; atividades culturais em parceria com o movimento hip-hop de São Paulo; palestras sobre arte e cultura em diversos locais, incluindo universidades, como a PUC-SP e UnB.
Além disso, nas atividades políticas, estivemos presentes em ações e atividades recentes em defesa da Democracia, contra o Golpe; nas campanhas eleitorais, apoiando candidatos comunistas ou progressistas; nos atos políticos em defesa do Brasil, da cultura brasileira e do legado histórico deixado pelos governos Lula-Dilma.
Serviço:
Colóquio Arte & Revolução
DIA 16 de agosto, às 18h30
Auditório da Sede Nacional do PCdoB (Rua Rego Freitas, 192, República, São Paulo)
Com: Jeosafá Fernandes, Mazé Leite e Alexandre Pilati.

FONTE: Brasil Cultura

Filme da Lava Jato é fantasia!



FilmeLavaJato.jpg
Policiais reprovam "A lei é para todos, menos para tucanos"
Policiais Federais estão irritados com a produção do filme “Polícia Federal – A Lei é Para Todos“. Segundo eles, a trama sobre a Operação Lava-Jato não corresponde à realidade.

“Delegado não investiga. É um burocrata que não entende como funciona uma investigação policial. Romantizaram o trabalho deles e ignoraram o esforço dos agentes, que fizeram todo o trabalho”, disse um dos policiais. (...)

Fonte: CONVERSA AFIADA