Postagem em destaque

PARELHAS/RN: IV FESTIVAL DE QUADRILHAS "ARRAIÁ ZEEZIM MEU VÉI" FOI MARAVILHOSO!

 1º Lugar Nação Junina - 48,3 - Jucurutu/RN   2º Lugar Matutina Potiguar - 47,6 - Santo Antônio Salto da Onça/RN   3º Lugar A No...

sábado, 15 de julho de 2017

Quer saber o que é Antropologia?

Portal Brasil Cultura apresenta em suas diversas seções, uma com o significado, conceito e informações sobre ANTROPOLOGIA.
Antropologia é uma ciência que se dedica ao estudo aprofundado do ser humano. É um termo de origem grega, formado por “anthropos” (homem, ser humano) e “logos” (conhecimento).
A reflexão sobre as sociedades, o homem e o seu comportamento social é conhecida desde a Antiguidade Clássica pelo pensamento de grandes filósofos. Em destaque há o grego Heródoto, considerado o pai da História e da Antropologia.
No entanto, foi somente com o Movimento Iluminista no século XVIII que a Antropologia se desenvolveu como ciência social, através do aprimoramento de métodos e classificações humanas. Neste período, o relato de viajantes, missionários e comerciantes sobre os hábitos dos nativos das novas terras descobertas e os debates sobre a condição humana, foram muito importantes para o desenvolvimento dos estudos antropológicos.
Estudar o ser humano e a diversidade cultural, envolve a integração de diversas disciplinas que procuram refletir sobre todas as dimensões humanas. Historicamente, estas dimensões ocorrem na divisão da antropologia em duas grandes áreas:

1. Antropologia Física ou Biológica

Estuda os aspectos genéticos e biológicos do homem. Também é chamada de bioantropologia, e é dedicada a entender os mecanismos de adaptação e evolução do homem.
Entre seus objetos de estudos estão as características genéticas que diferenciam povos e possibilitam que eles sobrevivam em determinados ambientes. Como por exemplo, ao estudar as condições do sistema digestivo diferentes de outros humanos, a resistência da pele ao sol em regiões de maior incidência, entre outras questões genéticas.
antropologia forense utiliza de conhecimentos da antropologia biológica para elaborar seus lados de identificação de cadávares e estudos sobre crimes, de forma a ser usado pelo direito penal.

2. Antropologia Social

Analisa o comportamento do homem em sociedade, a organização social e política, as relações sociais e instituições sociais.
A antropologia social difere da sociologia no objeto da investigação: enquanto a sociologia se dedica a entender os movimentos e estruturas sociais de uma forma macro, a antropologia social é voltada à relação que o homem estabelece com estes fenômenos em uma busca mais centrada no ser, em um “olhar para dentro”.
A divisão norte-americana da antropologia não usa o conceito de antropologia social, e sim a chamada Antropologia Cultural.
A Antropologia Cultural investiga as questões culturais que envolvem o homem, sendo seus costumes, mitos, valores, crenças, rituais, religião, língua, entre outros aspectos, fundamentais na formação do conceito de cultura antropológico.
São conceitos trabalhados pela antropologia social as noções de cultura e de alteridade.
Dentro do escopo da antropologia cultural ainda há os estudos da linguística e a etnografia como campos de especialização.
etnografia é o método de pesquisa próprio da antropologia e corresponde à também chamada observação participante. O antropólogo, ou que nesta função também pode ser chamado de etnógrafo, acompanha de perto o grupo que está estudando, vivendo como eles, dentro da comunidade. A partir deste trabalho de campo o antropólogo realiza suas análises em seu diário de campo, para aí então reunir a sua percepção prática as teorias vistas na revisão de literatura e então desenvolver o trabalho etnográfico.

TUDO SOBRE ANTROPOLOGIA

Fonte: Brasil Cultura

Reforma beneficia maus empregadores e fraude, diz procurador-geral do trabalho

Por Redação*    Foto: Antonio Cruz/EBC/FotosPúblicas
Em entrevista, Ronaldo Fleury, procurador-geral do trabalho, diz que reforma ainda mostra cultura escravocrata e foi feita para institucionalizar as fraudes
Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, Ronaldo Curado Fleury, procurador-geral do trabalho, diz que todas as propostas da reforma estão redigidas para beneficiar o mau empregador, deixando margem para a precarização das relações do trabalho. Afirma que o grande número de ações na Justiça do Trabalho se deve à pequena fiscalização e à mentalidade dos patrões. “O Brasil ainda tem uma cultura escravocrata. Fomos um dos últimos países a abolir a escravidão e até hoje a escravidão é uma realidade. Mesmo nos grandes centros, nas grandes empresas, a mentalidade é escravocrata“, afirmou.
Falando sobre o trabalho intermitente, em que a pessoa pode ser contratada para trabalhar apenas algumas horas e tem de ficar à disposição da empresa no outro período sem ganhar, o procurador diz que isso é a institucionalização das más práticas. “Tudo que era feito como fraude está sendo institucionalizado. Poderia ser contratado a um tempo parcial. Em vez de contratar por 44 horas, eu vou contratar a pessoa por 5 horas por semana. Isso é possível desde o fim dos anos 1990.”
Sobre a pretendida “modernização das leis trabalhistas, Fleury é contundente: “O que está se criando são estruturas legais, fórmulas de trabalho que existiam 200 anos atrás, como a própria jornada intermitente.”
Revista Fórum

“Você está demitido”


VOCNegociação de demissão, 80% do FGTS, 20% de multa rescisória, contrato em PJ… Confira como seria um breve diálogo entre patrão e empregado em tempos de reforma trabalhista e terceirização, por Camilo Vannuchi 
Por Camilo Vannuchi, em seu Facebook 
– Você está demitido.
– Virge santíssima, não brinca assim.
– É sério. Você está demitido.
– Nossa! Mas de uma hora pra outra?
– Sabe como é, a empresa vai passar por uma reestruturação.
– Puxa, eu trabalho há 27 anos aqui, nunca trabalhei em outro lugar.
– Pois é. Chamei o senhor aqui para negociar.
– Negociar o quê?
– Os termos da demissão em comum acordo.
– Como assim? Não tem nada de comum acordo. Estou sendo demitido. E sem justa causa.
– A causa é justa, na verdade. Entenda. É a crise. Mas de fato não podemos caracterizar como justa causa. Uma pena.
– Então não tem o que negociar.
– Sabe o que é? A gente quer contar com o senhor no futuro. Como colaborador, entende?
– Não. Não entendo.
– Seus serviços. O senhor desempenha uma função essencial para os nossos negócios, e não podemos deixá-lo na mão. Acredito que possamos entrar num acordo para terceirizar você assim que a lei permitir.
– E quando vai ser isso?
– Daqui a 18 meses. É o que está na nova lei. Quarentena para migrar de contrato por tempo indeterminado para contrato intermitente.
– Dezoito meses? E como eu vivo até lá?
– Veja bem, tenho certeza que o senhor vai saber se virar. Não faltarão oportunidades.
– Aos 46 anos? Sei…
– Ah, não fala assim. Você está no auge. Não é toda companhia que pode contar com a sua experiência. E você ainda pode pegar um trabalho por produção…
– Produção?
– É, ora. A empresa paga você pelo que você produzir. E você se vira com o resto. Não precisa bater ponto nem nada. Muito mais fácil assim, sem transporte, sem alimentação, sem estação de trabalho… Por até 17 meses.
– Dezessete meses?
– Isso. É a lei. Para não incidirem impostos e para você não sacar o seguro desemprego. Mas isso é outro assunto. Não se preocupe com isso agora.
– Caramba. Estou chocado. Minhas mãos estão até tremendo. Tem o financiamento da casa, a faculdade da Ana, o colégio do Edu.
– Toma um gole d’água. Melhorou?
– Bom, pelo menos vou poder sacar o FGTS até me acertar.
– 80%.
– Como?
– 80% do FGTS. É o que estabelece a nova lei. Se fizermos um acordo, você poderá retirar 80% do FGTS.
– Meu Deus… Ainda bem que tem 40% de multa rescisória.
– 20%.
– Como?
– 20% de multa. É o que diz a nova lei. Se fizermos um acordo, a empresa paga 20% da multa. Sobre 80% do fundo, é claro. É justo. É a metade entre zero e 40%. Todos ganham.
– Todos ganham? Como assim, todos ganham? E se eu não quiser fazer acordo nenhum?
– Aí será mesmo uma pena, porque nunca mais vamos contratar você como PJ.
– Mas esse acordo, vou consultar o sindicato.
– Não adianta.
– Como?
– Não adianta. É o que determina a nova lei. Os acordos individuais entre patrão e empregado valem mais do que as convenções e os acordos coletivos.
– Rapaz… mas a legislação…
– Esquece.
– Como?
– Esquece a legislação. Está na lei. Os acordos entre patrão e empregado valem mais do que a legislação.
– Não é possível! Não foi para isso que eu fui a dezenas de assembléias, não foi para isso que eu me sindicalizei, nem é pra isso que pagamos a contribuição compulsória.
– Acabou.
– O quê?
– A contribuição sindical obrigatória. Não é incrível? Finalmente. Bando de sanguessugas. Repara como essa reforma é boa. Você não vai mais precisar pagar a contribuição sindical. Taí um Congresso Nacional que defende o trabalhador.

Apenas homens brancos compõem o comitê de “diversidade” da Coca-Cola

A empresa divulgou uma matéria falando sobre o comitê que criou as latinhas LGBT e frisou a “diversidade” da marca, mas grupo não tem nada de diverso e internet não perdoou. “Podia vir um biscoito também com a latinha”, ironizou uma internauta. Confira as reações 
Por Redação
No mês passado, no Dia Internacional do Orgulho LGBT, a Coca-Cola Brasil lançou uma campanha interna com latinhas de Coca-Cola contendo o refrigerante Fanta e com a frase “Essa Coca é Fanta, e daí?”, ironizando um trocadilho homofóbico difundido há anos na sociedade brasileira.
A campanha foi divulgada na internet e, bem aceita, não demorou muito tempo para viralizar.
Nesta sexta-feira (14), no entanto, a empresa resolveu divulgar uma matéria falando sobre o comitê de “diversidade” da marca, responsável pela criação da campanha: um grupo de seis homens, todos brancos e com a aparência física semelhante. Ou seja, nada diverso.
No texto, a marca explica que o grupo é apenas um dos que formam o comitê de diversidade, que ainda tem outros grupos para fazer ações no âmbito de gênero, raça, geração e pessoas com deficiência. A Coca-Cola adiciona, ainda, que “a ideia agora é atrair mulheres LGBTs e pessoas heterossexuais para o grupo”.
Sem as mulheres outras pessoas representativas para outros segmentos, no entanto, o comitê composto apenas por homens brancos se tornou alvo de inúmeras críticas nas redes sociais.
Confira, abaixo, algumas reações no Twitter
segundo a @CocaCola a diversidade é um macho hétero-branco-cis pic.twitter.com/NCGBzFTxss
num dá pra saber se são heteros por foto, mas é real q essa tentativa de diversidade falhou

 Ver imagem no Twitter