Postagem em destaque

Centro Potiguar de Cultura reúne lideranças culturais para debater a Consciência Negra.

Mesa oficial do 8º Encontro Estadual da Consciência Negra: da esquerda para a direita: Afrânio Patrício: Coordenador da...

terça-feira, 9 de maio de 2017

O que europeus brancos associam a negros?


Este mapa traz a resposta… e ela é bem desconfortável
Por Tom Stafford*
Este novo mapa mostra o quão facilmente europeus brancos associam negros a ideias negativas.
Desde 2002, centenas de milhares de pessoas em todo o mundo acessaram um site administrado pela Universidade de Harvard chamado Projeto Implícito e fizeram um teste de associação implícita (IAT), uma tarefa de resposta rápida que mede a facilidade com que você pode relacionar itens de categorias diferentes.
Para criar este mapa, usamos dados de uma versão do teste que apresenta rostos brancos ou negros e palavras positivas ou negativas. O resultado mostra a facilidade com a qual nossas mentes automaticamente fazem a ligação entre as categorias – o que psicólogos chamam de “atitude racial implícita”.
Cada país no mapa é colorido de acordo com a pontuação média dos indivíduos daquele local que participaram do teste. As nações com tom mais vermelho possuem uma média de enviesamento mais elevada, os países mais azuis mostram uma média mais baixa, como indica a escala no topo do mapa.
Assim como um mapa similar feito sobre os estados dos EUA, o nosso mapa mostra uma variação na dimensão do viés racial, mas todos os países europeus são racialmente tendenciosos ao comparar negros versus brancos.

Em cada país europeu, as pessoas são mais lentas para associar negros com palavras positivas como “bom” ou “agradável” e mais rápidos para associá-los a conceitos negativos como “mau” ou “maligno”. Mas os respondestes do teste são mais rápidos em ligar negritude e conceitos negativos na República Checa ou na Lituânia do que na Eslovênia, no Reino Unido ou na Irlanda.
Nenhum país obteve uma pontuação média abaixo de zero, o que refletiria associações positivas com a negritude. Na verdade, nenhum deles alcançou uma média sequer próxima de zero, o que indicaria nem associações raciais positivas nem negativas.
Preconceito implícito
Ao todo, temos pontuações para 288.076 europeus brancos, coletadas entre 2002 e 2015, com os tamanhos das amostras de cada país indicadas no lado esquerdo.
Devido ao desenho do teste, é muito difícil controlar deliberadamente a sua pontuação. Diversos indivíduos, incluindo aqueles que possuem crenças não racistas ou mesmo anti-racistas, demonstram um viés positivo implícito no teste. O significado exato de atitudes implícitas e do IAT é controverso, mas acreditamos que eles refletem associações automáticas que possuímos em nossas mentes e que se desenvolvem ao longo de anos de imersão no mundo social.
Embora nós, como indivíduos, possamos não ter convicções racistas, as ideias que associamos à raça podem ser construídas por uma cultura que descreve pessoas de diferentes etnias de formas e maneiras que são consistentemente mais ou menos positivas. Observado assim, o IAT – que na melhor das hipóteses é uma medida fraca da psicologia individual – seria mais útil se as pontuações dos indivíduos forem agregadas para fornecer uma reflexão sobre o mundo social coletivo que habitamos.
Os resultados deste mapa apresentam detalhes para algo já esperado: que na Europa as posições raciais não são neutras. A negritude tem associações negativas para os brancos europeus, e há alguns padrões interessantes em como a força dessas associações negativas varia em todo o continente.
Norte e oeste da Europa possuem, em média, associações anti-negras menos fortes, embora ainda as tenham. À medida em que se move para o sul e o leste, a força das associações negativas tende a crescer, mas não em todos os lugares. Os Balcãs parecem ser uma exceção, comparados aos países vizinhos. Seria esse o resultado de alguma peculiaridade sobre como as pessoas nos Balcãs souberam do Projeto Implícito, ou porque seus preconceitos não são orientados em torno de um eixo branco-negro? Por enquanto, só podemos especular.
Perguntas abertas 
Ao interpretar o mapa há pelo menos duas qualificações importantes a se considerar.
A primeira é que as pontuações só refletem atitudes raciais em uma dimensão: emparelhamento de branco/preto com bondade/maldade. Nossos sentimentos sobre etnicidade possuem diversas outras dimensões que não são capturadas por esta medida.
A segunda é que os dados vêm de europeus que visitam o site do Projeto Implícito dos EUA, que é em inglês. Podemos ter a certeza de que a amostra reflete um subgrupo da população europeia com mais conhecimento da internet do que é típico. Eles também são provavelmente mais jovens e mais cosmopolitas. Esses fatores tendem a subestimar a extensão do racismo implícito em cada país, de modo que os verdadeiros níveis de racismo implícito tendem a ser mais elevados do que os apresentados neste mapa.
Este novo mapa é possível porque o Projeto Implícito libera seus dados por meio do Open Science Framework. Esse site permite que cientistas compartilhem materiais brutos e dados de seus experimentos, autorizando qualquer pessoa a verificar seu funcionamento, ou re-analisar os dados, como fizemos aqui. Creio que ferramentas abertas e métodos de publicação como estes são necessários para tornar a ciência melhor e mais confiável.
*Professor em Psicologia e Ciência Cognitiva na Universidade de Sheffield, no Reino Unido. Pesquisa aprendizagem e tomada de decisão.
Este artigo foi originalmente publicado em The Conversation. Leia o original aqui.
Fonte: Capital Capital

MAIS REGISTRO DO SUCESSO DO VII ENCONTRO ESTADUAL DO CENTRO POTIGUAR DE CULTURA - CPC/RN - IFRN - CURRAIS NOVOS-RN - 06-05-2017

 Presidente do CPC/RN, EDUARDO VASCONCELOS
 Apresentação do Grupo Afroregueiros da Comunidade Quilombola "Boa Vista dos Negros" - Parelhas - RN

 Mesa de debate do VII ENCONTRO ESTADUAL DE CULTURA -PROMOVIDO PELO CPC/RN
 Plenário do IFRN - CURRAIS NOVOS - RN, palco do VII EEC do CPC/RN
Plenário do IFRN
 Ronaldo Gomes da Silva, Presidente da Fundação de Cultura "José Bezerra Gomes" - Currais Novos-RN - falando em nome do prefeito, Odon Jr.
 AFROREGUEIROS - PARELHAS-RN
 AFROREGUEIROS - PARELHAS-RN

Dançarino santacruzense, JUCIANO da SHOW ao lado de uma voluntária da cidade de Canguaretama
 Grupo "SOU MAIS PERCUSSÃO" da E. E. Alberto Maranhão" - Nova Cruz/RN
 Música Popular Brasileira: Eliane, Emerson e Lorena (Alunos da E. E. Cap. Mor Galvão - Currais Novos - RN
Grupo "SOU MAIS PERCUSSÃO" da E. E. Alberto Maranhão" - Nova Cruz/RN

Composição da Mesa Oficial do VII ENCONTRO ESTADUAL DE CULTURA - CPC/RN: Vereadora Tércia Leda (Representando a Câmara Municipal de Currais Novos); Ronaldo Gomes, presidente da Fundação Cultural José Bezerra gomes (representando o prefeito, Odon Júnior), José Alves (presidente da ACEUA - Alexandria), Manoel Euflausino (coordenador do SINTEST/RN), Maria Aparecida Costa/Graça Pereira (Representando o SINAI/RN, Diretor Geral do IFRN - Campus de Currais Novos-RN: Andreilson Oliveira e Eduardo Vasconcelos - CPC/RN.

Cerimonial: Radialista Claudio Pereira de Lima.

Assunto: "Quais as consequências das políticas adotadas pelo Governo Federal na Cultura?"
Após 3 horas de discussão foi aprovado MANIFESTA EM DEFESA DA CULTURA POTIGUAR! Que será enviado aos Governos: Federal, Estadual e Prefeituras.

Nossos agradecimentos aos estabelecimentos escolares: E. E. Capitão Mor Galvão e E. M. Gilson Firmino e o IFRN (Currais Novos); E. M. Nestor Marinho, E. E. Alberto Maranhão, E. E. Djalma Marinho e E. E. Rosa Pignataro.

Apoios Comerciais;  Rádios OURO BRANCO, FM 95 - CURRAIS NOVOS (SERTANEJA), Mega Kilão, Livraria Mina de Ouro, Rede Mais (Venâncio), Hotel D'Almeida e Laticínios SERTÃO SERIDÓ.