Postagem em destaque

Centro Potiguar de Cultura reúne lideranças culturais para debater a Consciência Negra.

Mesa oficial do 8º Encontro Estadual da Consciência Negra: da esquerda para a direita: Afrânio Patrício: Coordenador da...

sábado, 18 de novembro de 2017

Câmara promove eventos em homenagem ao Dia Nacional da Consciência Negra

Foto Google
A data, celebrada em 20 de novembro, busca chamar a atenção para as dificuldades enfrentadas pelos negros no Brasil
A Câmara dos Deputados celebra o Dia Nacional da Consciência Negra, na próxima semana, com eventos que promovem uma reflexão sobre a situação do negro no País. A programação tem início na segunda-feira (20), às 11 horas, com uma sessão solene no Plenário Ulysses Guimarães, e prossegue durante a semana com o lançamento de publicações e a realização de palestra.
O Dia Nacional da Consciência Negra é celebrado em 20 de novembro. A data foi escolhida por ter sido nesse dia, em 1695, que morreu Zumbi dos Palmares, líder do Quilombo dos Palmares e um dos principais nomes da resistência negra na luta contra a escravidão.
A sessão solene que abre a programação alusiva à data terá transmissão ao vivo pela TV Câmara e também poderá ser acompanhada pela internet (http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/tv/). A homenagem foi requerida pelos deputados Erika Kokay (PT-DF), Damião Feliciano (PDT-PB) e Hiran Gonçalves (PP-RR).
Publicações
Na terça-feira (21), às 9 horas, no auditório Nereu Ramos, haverá o lançamento do relatório “A Verdade sobre a Escravidão Negra no Distrito Federal e Entorno”. O evento é organizado pela Comissão da Verdade sobre a Escravidão Negra no Distrito Federal e Entorno e pelo Sindicato dos Bancários de Brasília.

Já na quinta-feira (23), às 10h30, no Salão Nobre, o Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça e a Edições Câmara lançam o livro “Repertório Bibliográfico sobre a Condição do Negro no Brasil”. A obra reúne uma bibliografia abrangente e diversificada de textos que informam, debatem, analisam, refletem e denunciam a condição do negro ao longo da história do Brasil, da colonização até os dias atuais.
O evento de quinta contará ainda com a palestra Outros Olhares sobre o Brasil, de Joseanes Lima dos Santos, representante do movimento Frente de Mulheres Negras do Distrito Federal e Entorno.
Da Redação – PT

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Pe. Aerton prestigia evento sobre Consciência Negra em Nova Cruz.


O Pe. Aerton Sales da Paróquia de Nova Cruz, atendendo ao convite dos organizadores prestigiou o evento 8º ENCONTRO ESTADUAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA, promovido pelo Centro Potiguar de Cultura -CPC/RN, que ocorreu durante o dia desta sexta feira, 17 de Novembro, no IFRN - Campus de Nova Cruz.
Na oportunidade o pároco lembrou que a Igreja Católica  lançou uma grande campanha de consciência da importância da etnia negra para nosso país, do respeito às várias etnias e classes sociais o que se refletiu em suas Campanhas da Fraternidade em várias edições. Ao final de sua visita, Pe. Aerton realizou um momento de oração em que todos rezaram o Pai Nosso.

Centro Potiguar de Cultura reúne lideranças culturais para debater a Consciência Negra.

Mesa oficial do 8º Encontro Estadual da Consciência Negra: da esquerda para a direita: Afrânio Patrício: Coordenador da Casa de Cultura de Nova Cruz, professora Gabriela Maurício da cidade de Várzea, Ademir Eduardo - Secretário Municipal de Cultura de Campo Redondo, Eduardo Vasconcelos - Presidente do CPC/RN, professor Márcio Dadox - Diretor Geral do IFRN - Nova Cruz e o estudante Olíver - representante do Grêmio Estudantil "Nilo Peçanha" - IFRN - Nova Cruz.

Dezenas de representantes dos municípios de Nova Cruz, Campo Redondo, Várzea e Espírito Santo, das regiões Trairi e Agreste debateram a Consciência Negra e os diversos tipos de preconceitos, no 8º ENCONTRO ESTADUAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA, promovido pelo Centro Potiguar de Cultura –CPC/RN, com sede em Nova Cruz,  que aconteceu no auditório do IFRN – Campus de Nova Cruz. Na oportunidade as lideranças culturais assistiram a uma apresentação do grupo “ARTE BOLARE” formado por alunos da Escola Estadual Rosa Pignataro de Nova Cruz, coordenados pelos professores Francinaldo Soares e Lene Rosa, em sua abertura. Em seguida um lindo vídeo com uma poesia de Cordel abordou o tema RESPEITO E NÃO PRECONCEITO

O Presidente do Centro Potiguar de Cultura, Eduardo Vasconcelos formou a Mesa de Honra, acompanhado do Diretor do IFRN – Campus de Nova Cruz, Professor Márcio Dadox, pelo membro do Grêmio Estudantil “Nilo Peçanha”, o estudante Óliver, pelo Secretário de Cultura do município de Campo Redondo, Ademir Eduardo e pela Professora Gabriela Maurício, ex- secretária de Cultura de Várzea. Todos levaram suas palavras enaltecendo o evento e a importância de sempre vislumbrar o debate sobre a Consciência Negra em nosso estado.

 RODA DE CONVERSA SOBRE TEMAS INERENTES AO NEGRO
Momento de oração com o Padre Aerton - Paróquia de Nova Cruz - foto 2
Logo em seguida, todos os participantes iniciaram os debates sobre Consciencia Negra, que contou com a presença do Pe. Aerton da Paróquia de Nova Cruz e que culminou no período da tarde com vários encaminhamentos, dentre os quais, destacam-se: a escolha dos municípios de Campo Redondo e de Parelhas  para sediarem dois grandes encontros no primeiro semestre de 2018; o envio da moção de agradecimento aos chefes dos executivos dos municípios de Espírito Santo e de Campo Redondo pelo apoio que permitiu as presenças dos agentes culturais ao evento e envio de nota de repúdio às Prefeituras que se comprometeram com o evento e não deram condições aos seus participantes de estarem presentes. Outro encaminhamento será o envio de vários documentos de apoio à Lei n. 296/2015, que visa tornar a data de 20 de novembro – dia da consciência negra, como feriado nacional, para os E-mails dos deputados federais da bancada potiguar, uma vez que a votação da matéria será no plenário da casa na próxima semana.
Apresentação belíssima do Grupo de Dança "RAÍZES DO AGRESTE" da cidade de Espírito Santo!

APROVADO

Foi aprovado no encontro duas notas de repúdios: Uma contra a política adotada pelos governos Temer e Robinson Faria, que descumpre as leis e massacra os funcionários públicos e autarquias. como o presidente Michel Temer que vem tirando direitos dos trabalhadores e aposentados, como também as recém conquistas do povo brasileiro, como o FIES, Aprovaram também moção de apoio as lutas e as greves dos trabalhadores e todo a apoio as entidades: SINAI/RN, SINTEST/RN, SINDSAÚDE/RN, ADUERN. ADURN, SENALBA/RN, SINTE/RN, BANCÁRIOS/RN, SINDIFERN, SINDAS/RN, SINDHOTELHEIROS, FETARN, SINTRAMACOM, VIGILANTES e todos os sindicatos, federações e centrais sindicais, que estão juntas em favor do povo brasileiro e na luta contra as perdas de direitos da classe trabalhadora e da sociedade como um todo.

Obs. O Presidente do Centro Potiguar de Cultura - CPC/RN, Eduardo Vasconcelos na abertura do evento repudiou a atitude de alguns prefeitos, que de última não enviaram suas delegações, delegações essas que já estavam todas ciente de suas participações, mas por falta de compromisso e sem nenhum respeito pela entidade e muito menos pelos seus munícipes. Demostra o descaso com a CULTURA local, regional e nacional. Eduardo Vasconcelos.

Estiveram presentes as entidades: CDL - NOVA CRUZ/RN, SINTE/RN, AMES-NOVA CRUZ, ANE/RN, GRÊMIO ESTUDANTIL DO IFRN e Comissão em Defesa dos Campus da UERN e UFRN na Região do Agreste Potiguar.  

Justificaram suas ausências as entidades sindicais: SENALBA/RN, SINAI/RN, ADUERN, ADURN, SINDHOTELEIROS/RN, SINDCOMERCIÁRIOS/RN, SINDIDAÚDE/RN, SINTESTE/RN, SINDBANCÁRIOS/RN  pelos motivos de estarem engajados nas mobilizações, greves e acampamento na Governadoria do Estado. TODA A SOLIDARIEDADE AOS COMPANHEIROS SINDICALISTAS E FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS E AUTARQUIAS DO RIO GRANDE DO NORTE.

Agradecimentos ao Restaurante Popular, sob a coordenação do nutricionista, HUGO, pela qualidade no almoço da última sexta-feira (17), com um cardápio excelente. E é claro as prefeituras de Nova Cruz, Parelhas, Espirito Santo, Campo Redondo e Parelhas pela força e solidariedade ao evento, Ao IFRN - Campi de Nova Cruz, SEBRAE - Nova cruz, INFORGRAF, FOTO PEQUENO PRÍNCIPE , LOTUS GRÁFICA, ABSN - Parelhas, Programa Nação Nova Cruz (Agreste FM), Paróquia Imaculada da Conceição,  SME - SAD - SECRETARIA M. DE SERVIÇOS URBANOS de Nova Cruz e todos/as aqueles/as que de forma direta ou indireta contribuíram de forma direta ou indireta  para a realização de mais um evento do Centro Potiguar de Cultura - CPC/RN.

(Fotos Teobanio)

Acessem: 
centropotiguardecultura.blogspot.com
anern2003.blogspot.com
uerneufrncampusja.blogspot.com
eduagreste.blogspot.com
claudiolimanews.blogspot.com



quinta-feira, 16 de novembro de 2017

ONU lança campanha pelo fim da violência contra a população negra

vidas negras
A cada 23 minutos, um jovem negro é morto, no Brasil, e de cada dez pessoas assassinadas, no país, sete são negras. Eles representam 54% da população, mas respondem por 77% das vítimas da violência. Para chamar a atenção para o problema, a ONU Brasil lançou nesta terça-feira (7), na capital federal, a campanha Vidas Negras.
A campanha também faz parte da Década Internacional de Afrodescendentes e marca o Mês da Consciência Negra. São vídeos que abordam diferentes faces do racismo, como, por exemplo, o tratamento desigual de pessoas negras em espaços públicos, o vazio nas famílias deixado pelos jovens assassinados e comunidades e a discriminação durante abordagens policiais.
“É um esforço para chamar a atenção para esses fatos e impulsionar um compromisso de diversos atores, sensibilizar homens e mulheres em papéis de tomada de decisão, sensibilizar a opinião pública e realmente ajudar a construir uma nova imagem”, diz Ana Cláudia Pereira, do programa Fundo de População (UNFPA), da ONU,  à repórter Michelle Gomes, da TVT.
Enquanto a taxa de homicídios para não negros caiu 12%, entre 2005 e 2015, para os negros, houve aumento de 18%, no mesmo período. “A população negra, historicamente, sofre um genocídio. Desse ponto de vista, a consciência humana que está estabelecida na sociedade não nos entende como seres humanos, ou pelo menos como seres humanos que deveriam permanecer vivos”, ressalta a integrante da Frente Alternativa Preta Adriana Barbosa.
Os vídeos e mensagens que forem compartilhados no Twitter com as hashtags #ConsciênciaNegra e #VidasNegras durante o mês de novembro.
Fonte: BRASIL CULTURA

Morre artista plástico Frans Krajcberg, aos 96 anos

Frans-Krajcberg
Nascido na Polônia em 1921, mas que se definia como brasileiro por já morar há quase 60 anos no país, morreu nesta quarta-feira (15), aos 96 anos, Frans Krajcberg, um dos artistas plásticos de maior projeção internacional e que ficou conhecido por trabalhar sua obra em madeira calcinada de incêndios ambientais. Essa era uma das formas que o artista tinha de chamar a atenção para a degradação das florestas.
Krajcberg estava internado havia um mês no Hospital Samaritano, em Botafogo, na Zona Sul da capital fluminense, com quadro de infecção. O corpo do artista será cremado e as cinzas serão levadas para o Sítio Natura, em Nova Viçosa, no sul da Bahia.
Polonês de nascimento, artista dizia que era brasileiro
Polonês de nascimento, artista dizia que era brasileiro
Escultor, pintor, gravador e fotógrafo, Krajcberg estudou engenharia e artes na Universidade de Leningrado e mudou-se para a Alemanha, ingressando na Academia de Belas Artes de Stuttgart, depois de ter perdido todos os seus familiares em um campo de concentração, durante a Segunda Guerra Mundial.
Em 1948, o artista plástico chegou ao Brasil, residindo primeiro no Paraná, e em 1956 no Rio de Janeiro, onde dividiu o ateliê com o escultor Franz Weissmann (1911-2005). Em 1951, ele já havia participado da 1ª Bienal Internacional de São Paulo, com duas pinturas. Em 1957, ele naturaliza-de brasileiro.
Krajcberg passa a residir em Nova Viçosa, na Bahia, a partir de 1972, e amplia seu trabalho com escultura, iniciado em Minas Gerais. Intervém em troncos e raízes, entendendo-os como desenhos no espaço. Essas esculturas fixam-se firmemente no solo ou buscam libertar-se, direcionando-se para o alto. A partir de 1978, atua como ecologista, luta que assume caráter de denúncia em seus trabalhos: “Com minha obra, exprimo a consciência revoltada do planeta”, disse, em registro da Enciclopédia Itaú Cultural.
O artista plástico viaja constantemente para a Amazônia e Mato Grosso, e registra por meio da fotografia os desmatamentos e queimadas em imagens dramáticas. Dessas viagens, retorna com troncos e raízes calcinados, que utiliza em suas esculturas.
Na década de 1980, inicia nova série de “gravuras”, que consiste na modelagem em gesso de folhas de embaúba e outras árvores centenárias, impressas em papel japonês. Também nesse período realiza a série africana, utilizando raízes, cipós e caules de palmeiras associados a pigmentos minerais. Krajcberg sempre fotografa as suas esculturas, muitas vezes tendo o mar como fundo. O artista, ao longo de sua carreira, mantém-se fiel a uma concepção de arte relacionada diretamente à pesquisa e utilização de elementos da natureza. A paisagem brasileira, em especial a floresta amazônica, e a defesa do meio ambiente marcam toda a sua obra.
FONTE - Brasil Cultura

Publicados Editais de Convocação Paiol Musical e Produção Audiovisual em Curitiba

paiol
Dois Editais de Convocação foram publicados e já estão disponíveis no site da Fundação Cultural de Curitiba. Trata-se do Edital nº61/17, sobre a Convocação Documental de Projetos Classificados do Edital Produção Audiovisual FCC/FSA, e o Edital nº63/17, que dispõe sobre a Convocação Documental de Projeto Classificado do Edital Paiol Musical.
Os convocados devem apresentar, pessoalmente, os documentos e informações solicitadas na Diretoria de Incentivo à Cultura da Fundação Cultural de Curitiba, situada a Rua Engenheiros Rebouças, n.º 1732, Bairro Rebouças, Curitiba/PR. A entrega documental de ambos os editais se encerra às 17h30 do dia 22 de novembro de 2017.
Seguem abaixo os links:
–  Edital n.º 061/17 – Convocação Documental de Projetos Classificados do EDITAL PRODUÇÃO AUDIOVISUAL FCC/FSA
–  Edital n.º 063/17 – Convocação Documental de Projeto Classificado do EDITAL PAIOL MUSICAL
Brasil Cultura

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Mês da Consciência Negra 20 de novembro pra que...


O feriado do Dia da Consciência Negra, em 20 de novembro, está mantido. Em decisão nesta quinta-feira, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF)eterminou a extinção da ação direta de Inconstitucionalidade (ADI) movida pela Confederação Nacional do Comércio. A CNC questionou a validade constitucional da Lei 4.007/2002, do Estado do Rio de Janeiro, que instituiu o feriado em homenagem a Zumbi, último dos líderes do Quilombo dos Palmares, o maior dos quilombos do período colonial. Em sua decisão, o ministro afirmou: “Ausente a legitimidade ativa da requerente, julgo extinto o processo, sem resolução de mérito, com base no art. 21, IX, do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal e no artigo 485, VI, do Código de Processo Civil de 2015”.

Em seu despacho, o ministro explicou que a ação direta de inconstitucionalidade não reuniu as condições processuais indispensáveis ao seu reconhecimento, “pois a CNC carece de legitimidade ativa para contestar a Lei estadual que estabeleceu o feriado de Zumbi no Rio de Janeiro”.Entre os argumentos de defesa da inconstitucionalidade da Lei, a CNC afirmava, de acordo com o relato do ministro Alexandre Moraes, ter a “existência de pertinência temática, pois, ao criar um feriado de natureza civil, a norma estadual teria interferido nas relações trabalhistas entre empregados e empregadores do comércio, e não poderia o comércio abrir exceto com prévia permissão da autoridade competente e mediante pagamento de dobra salarial, sob pena de autuação administrativa”.

Lembrando que embora a Constituição de 1988 tenha alterado uma tradição do Direito Constitucional ampliando a legitimidade para propositura da Ação Direta de Inconstitucionalidade, o ministro Alexandre de Moraes afirmou que “para alguns dos legitimados do art. 103 da Constituição Federal, porém, esta Corte exige a presença da chamada pertinência temática, definida como o requisito objetivo da relação de pertinência entre a defesa do interesse específico do legitimado e o objeto da própria ação”.

 O Dia da Consciência Negra no Brasil é comemorado, sempre em 20 de novembro, (neste ano o dia cairá em uma segunda-feira) data da morte de Zumbi dos Palmares um escravo que foi líder do Quilombo dos Palmares e simbolizou a luta do negro contra a escravidão que sofriam os brasileiros de raça negra. Zumbi morreu enquanto defendia a sua comunidade e lutava pelos direitos do seu povo.

A data foi incluída em 2003 no calendário escolar nacional. Contudo, somente a Lei 12.519


A data virou feriado no Brasil, embora não seja adotado em todos os locais – é feriado em 1.047 municípios brasileiros, pois foi sendo construído gradativamente pelas entidades do movimento negro.

Vida de Zumbi
A cronologia da morte de Zumbi dos Palmares começa mesmo antes de seu nascimento. Em 1600, escravos negros foragidos dos engenhos de açúcar de Pernambuco fundam, na Serra da Barriga (CE), o Quilombo dos Palmares – 30 mil passam a morar na região.

Em 1644, após 14 anos de presença no nordeste brasileiro, os holandeses falham na invasão ao Quilombo. Em 1654, eles são expulsos pelos portugueses do nordeste. Zumbi nasceu em 1655, em um dos acampamentos no Quilombo. Ainda jovem, ele foi aprisionado em 1662 e dado ao padre Antonio Melo que o batizou como Francisco. Ele ensinou ao jovem latim e português e, por sua vez, passou a ajudar o sacerdote em suas missas.

Durante 14 anos, entre 1680 e 1694, Zumbi liderou a República dos Palmares retaliando e afastando os ataques das tropas portuguesas. Porém, em 1694, com apoio da artilharia, os portugueses derrotaram Zumbi e destruíram a República dos Palmares.

Ferido e derrotado na Cerca do Macaco – principal mulambo dos Palmares – Zumbi ainda consegue fugir dos militares portugueses comandados por Domingos Jorge Velho e Vieira de Mello.O líder negro ainda conseguiu viver durante um ano, até ser denunciado por um antigo companheiro. Zumbi foi localizado pelos portugueses, preso e degolado em 20 de novembro de 1695. "Zumbi lutou até a morte contra a escravidão, que só viria em 1888, com a abolição oficial da escravatura no Brasil, cerca de 193 anos após sua morte".

Confira se a data é feriado em cada estado:

Acre: no Acre, o 20 de novembro não é feriado oficial em nenhum município.

Alagoas: de acordo com a Lei Estadual n° 5.724 de 1995, todos os municípios do estado de Alagoas têm feriado no Dia da Consciência Negra.

Amazonas: desde 2010, por força de uma lei estadual, o dia 20 de novembro passou a ser considerado feriado em todos os municípios do Amazonas. A capital Manaus também tem uma lei municipal que decreta 20 de novembro feriado do Dia da Consciência Negra.

Amapá: a Lei Estadual Nº 1169, de 2007, garantiu feriado oficial em 20 de novembro em todas as cidades do estado do Amapá.

Bahia: apenas dois municípios baianos têm o Dia da Consciência Negra no calendário oficial de comemorações: Alagoinhas e Serrinha. Em todos eles, o feriado foi determinado por lei municipal.

Ceará: no estado do Ceará, o Dia da Consciência Negra não é feriado em nenhum município.

Distrito Federal: O DF não tem feriado para comemorar o Dia da Consciência Negra.

Espírito Santo: as cidades de Cariacica e Guarapari têm feriado oficial no dia 20 de novembro, por determinação de leis municipais.

Goiás: quatro cidades goianas celebram oficialmente o Dia da Consciência Negra em 20 de novembro: a capital Goiânia, Aparecida de Goiânia, Flores de Goiás e Santa Rita do Araguaia.

Maranhão: apenas o município de Pedreiras terá feriado no dia 20 de novembro, garantido por uma lei municipal de 2008.

Minas Gerais: 11 cidades mineiras têm feriado do Dia da Consciência Negra em 20 de novembro: Além de Paraiba, Belo Horizonte, Betim, Guarani, Ibiá, Jacutinga, Juiz De Fora, Montes Claros, Santos Dumont, Sapucai-Mirim e Uberaba.

Mato Grosso do Sul: só a cidade de Corumbá tem feriado oficial em 20 de novembro, por força de lei municipal de 2008.

Mato Grosso: uma lei de 2002 determina feriado do Dia da Consciência Negra em 20 de novembro em todos os municípios do estado.

Paraíba: o 20 de novembro é oficialmente feriado apenas na capital, João Pessoa.

Pará: não é feriado em 20 de novembro em nenhuma cidade do estado.

Paraná: só a cidade de Guarapuava tem feriado oficial no 20 de novembro. O feriado foi determinado por lei municipal de 2009.

Pernambuco: não é feriado em 20 de novembro em nenhuma cidade do estado.
Piauí: não é feriado em 20 de novembro em nenhuma cidade do estado.

Rio de Janeiro: lei estadual de 2002 garante o feriado do Dia da Consciência Negra em todos os municípios cariocas.

Rio Grande do Norte: não é feriado em 20 de novembro em nenhuma cidade do estado.

Rio Grande do Sul: desde 1987, uma lei estadual determina que o 20 de novembro é feriado em todos os municípios gaúchos.

Rondônia: não é feriado, em 20 de novembro, em nenhuma cidade do estado.

Roraima: em nenhuma cidade do estado será feriado no dia 20 de novembro.

Santa Catarina: Florianópolis.

São Paulo: não há uma lei estadual que detemine o feriado de 20 de novembro no estado. Entretato, a data está no calendário oficial de 101 cidades por leis municipais, incluindo a capital São Paulo. São eles: Aguaí, Águas da Prata, Águas de São Pedro, Altinópolis, Americana, Américo Brasiliense, Amparo, Aparecida, Araçatuba, Aracoiaba da Serra, Araraquara, Araras, Atibaia, Bananal, Barretos, Barueri, Bofete, Borborema, Buritama, Cabreúva, Cajeira, Cajobi, Campinas, Campos do Jordão, Canas, Capivari, Caraguatatuba, Carapicuíba, Charqueada, Chavantes, Cordeirópolis, Cruz das Almas, Diadema, Embu, Embu das Artes, Estância De Atibaia, Florida Paulista, Franca, Franco Da Rocha, Francisco Morato, Franco da Rocha, Getulina, Guaíra, Guarujá, Guarulhos, Hortolândia, Ilhabela, Itanhaém, Itapecerica da Serra, Itapeva, Itapevi, Itararé, Itatiba, Itu, Ituverava, Jaguariúna, Jambeiro, Jandira, Jarinu, Jaú, Jundiaí, Juquitiba, Lajes, Leme, Limeira, Mauá, Mococa, Olímpia, Paraíso, Paulo de Faria, Pedreira, Pedro de Toledo, Pereira Barreto, Peruíbe, Piracicaba, Pirapora do Bom Jesus, Porto Feliz, Ribeirão Pires, Ribeirão Preto, Rincão, Rio Claro, Rio Grande da Serra, Salesópolis, Salto, Santa Albertina, Santa Isabel, Santa Rosa de Viterbo, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, São João da Boa Vista, São Manuel, São 


Sergipe: não é feriado em nenhuma cidade do estado.

Tocantins: só o município de Porto Nacional tem, por lei municipal, feriado no 20 de novembro.


O Dia da Consciência Negra no Brasil é comemorado, sempre em 20 de novembro, (neste ano o dia cairá em uma segunda-feira) data da morte de Zumbi dos Palmares um escravo 
que foi líder do Quilombo dos Palmares e simbolizou a luta do negro contra a escravidão que sofriam os brasileiros de raça negra. Zumbi morreu enquanto defendia a sua comunidade e lutava pelos direitos do seu povo.

O Rio de Janeiro teve o maior porto negreiro do país, que era o Cais do Valongo, aqui estão as principais manifestações culturais e o Rio de Janeiro foi o Estado onde a escravidão teve sua maior expressão, principalmente devido à lavoura do café. O Rio de Janeiro já teve o desonroso titulo de a "Capital da Escravidão" Hoje, 129 anos após a assinatura da Princesa Isabel, vivemos em um mundo onde diz-se que os direitos humanos são respeitados. O Brasil, país onde encontra-se negros de Norte a Sul, sofre, ainda, com o preconceito racial. Devido a isso que o Dia da Consciência Negra foi criado: desmistificar a ideia retrógrada que permanece, na cabeça de muitos, que é a raça que importa no convívio social.

REBELE-SE CONTRA O RACISMO!

Claudia Vitalino.
Fonte: Portal Brasil

Proclamação da República

proclamacao-da-republica

Proclamação da República Brasileira aconteceu no dia 15 de novembro de 1889. Resultado de um levante político-militar que deu inicio à República Federativa Presidencialista. Fica marcada a figura de Marechal Deodoro da Fonseca como responsável pela efetiva proclamação e como primeiro Presidente da República brasileira em um governo provisório (1889-1891).
Marechal Deodoro da Fonseca foi herói na guerra do Paraguai (1864-1870), comandando um dos Batalhões de Brigada Expedicionária. Sempre contrário ao movimento republicano e defensor da Monarquia como deixa claro em cartas trocadas com seu sobrinho Clodoaldo da Fonseca em 1888 afirmando que apesar de todos os seus problemas a Monarquia continuava sendo o “único sustentáculo” do país, e a república sendo proclamada constituiria uma “verdadeira desgraça” por não estarem, os brasileiros, preparados para ela.
A crise no Império
O ultimo gabinete ministerial do Império, o “Gabinete Ouro Preto”, sob a chefia do Senador pelo Partido Liberal Visconde do Ouro Preto, assim que assume em junho de 1889 propõe um programa de governo com reformas profundas no centralismo do governo imperial. Pretendia dar feição mais representativa aos moldes de uma monarquia constitucional, contemplando aos republicanos com o fim da vitaliciedade do senado e adoção da liberdade de culto. Ouro Preto é acusado pela Câmara de estar dando inicio à República e se defende garantindo que seu programa inutilizaria a proposta da República. Recebe críticas de seus companheiros do Partido Liberal por não discutir o problema do Federalismo.
Os problemas no Império estavam em várias instâncias que davam base ao trono de Dom Pedro II:
A Igreja Católica: Descontentamento da Igreja Católica frente ao Padroado exercido por D. Pedro II que interferia em demasia nas decisões eclesiásticas.
O Exército: Descontentamento dos oficiais de baixo escalão do Exército Brasileiro pela determinação de D. Pedro II que os impedia de manifestar publicamente nos periódicos suas críticas à monarquia.
Os grandes proprietários: Após a Lei Áurea ascende entre os grandes fazendeiros um clamor pela República, conhecidos como Republicanos de 14 de maio, insatisfeitos pela decisão monárquica do fim da escravidão se voltam contra o regime. Os fazendeiros paulistas que já importavam mão de obra imigrante, também estão contrários à monarquia, pois buscam maior participação política e poder de decisão nas questões nacionais.
A classe média urbana: As classes urbanas em ascensão buscam maior participação política e encontram no sistema imperial um empecilho para alcançar maior liberdade de econômica e poder de decisão nas questões políticas.
A Proclamação da República
A República Federativa Brasileira nasce pelas mãos dos militares que se veriam a partir de então como os defensores da Pátria brasileira. A República foi proclamada por um monarquista. Deodoro da Fonseca assim como parte dos militares que participaram da movimentação pelas ruas do Rio de Janeiro no dia 15 de Novembro pretendiam derrubar apenas o gabinete do Visconde de Ouro Preto. No entanto, levado ao ato da proclamação, mesmo doente, Deodoro age por acreditar que haveria represália do governo monárquico com sua prisão e de Benjamin Constant, devido à insurgência dos militares.
A população das camadas sociais mais humildes observam atônitos os dias posteriores ao golpe republicano. A República não favorecia em nada aos mais pobres e também não contou com a participação desses na ação efetiva. O Império, principalmente após a abolição da escravidão tem entre essas camadas uma simpatia e mesmo uma gratidão pela libertação. Há então um empenho das classes ativamente participativas da República recém-fundada para apagar os vestígios da monarquia no Brasil, construir heróis republicanos e símbolos que garantissem que a sociedade brasileira se identificasse com o novo modelo Republicano Federalista.
A Maçonaria e o Positivismo
O Governo Republicano Provisório foi ocupado por Marechal Deodoro da Fonseca como Presidente, Marechal Floriano Peixoto como vice-presidente e como ministros: Benjamin Constant, Quintino Bocaiuva, Rui Barbosa, Campos Sales, Aristides Lobo, Demétrio Ribeiro e o Almirante Eduardo Wandenkolk, todos os presentes na nata gestora da República eram membros regulares da Maçonaria Brasileira. A Maçonaria e os maçons permanecem presentes entre as lideranças brasileiras desde a Independência, aliados aos ideais da filosofia Positivista, unem-se na formação do Estado Republicano, principalmente no que tange o Direito.
A filosofia Positivista de Auguste Comte esteve presente principalmente na construção dos símbolos da República. Desde a produção da Bandeira Republicana com sua frase que transborda a essência da filosofia Comteana “Ordem e Progresso”, ou no uso dos símbolos como um aparato religioso à religião republicana. Positivistas Ortodoxos como Miguel Lemos e Teixeira Mendes foram os principais ativistas, usando das alegorias femininas e o mito do herói para fortalecer entre toda a população a crença e o amor pela República. Esses Positivistas Ortodoxos acreditavam tão plenamente em sua missão política de fortalecimento da República que apesar de ridicularizados por seus opositores não esmorecem e seguem fortalecendo o imaginário republicano com seus símbolos, mitos e alegorias.
A nova organização brasileira pouco ou nada muda nas formas de controle social, nem mesmo há mudanças na pirâmide econômica, onde se agrupam na base o motor da economia, e onde estão presentes os extratos mais pobres da sociedade, constituída principalmente por ex-escravizados e seus descendentes. Já nas camadas mais altas dessa pirâmide econômica organizam-se oligarquias locais que assumem o poder da máquina pública gerenciando os projetos locais e nacionais sempre em prol do extrato social ao qual pertencem. Não há uma revolução, ou mesmo grandes mudanças com a Proclamação da República, o que há de imediato é a abertura da política aos homens enriquecidos, principalmente pela agricultura. Enquanto o poder da maquina pública no Império estava concentrado na figura do Imperador, que administrava de maneira centralizadora as decisões políticas, na República abre-se espaço de decisão para a classe enriquecida que carecia desse poder de decisão política.
Referências:
CARVALHO, José Murilo de. Os bestializados. O Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.
CARVALHO, José Murilo de. A Formação das Almas. O imaginário da República no Brasil. Paulo: Companhia das Letras, 2013.
LINHARES, Maria Yedda (ORG.). História Geral do Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.
Arquivado em: Brasil Republicano, História do Brasil
Fonte: BRASIL CULTURA

5 º FESTIVAL DE FOTOGRAFIA FLORIPA NA FOTO

doubt_kills_more_dreams_that_failure_ever_will.
Estão abertas até dia 20 de novembro as inscrições para apresentação de trabalhos no 4º FÓRUM FOTOGRAFIA, ARTE E EDUCAÇÃO.  O fórum acontecerá no 5º Festival de Fotografia Floripa na Foto e tem como objetivo divulgar pesquisas acadêmicas, pesquisas/ações realizadas em escolas e trabalhos resultantes de outros saberes. Veja mais

Inscrições até 30 de novembro para participação no 6º ENCONTRO DE LIVROS DE FOTOGRAFIA DE AUTOR: FLORIPA NA FOTO – MOSTRA EDITORIAL ARGENTINA LA LUMINOSA, AUTORES LATINO-AMERICANOS. Os livros oriundos desta convocatória, participarão do 6º Encontro de livros de fotografia de autor Floripa na Foto – Mostra Editorial argentina La Luminosa, autores latino-americanos, que será realizado durante o 5º Festival de Fotografia Floripa na Foto de 13 a 16 de dezembro de 2017. s livros oriundos desta convocatória, participarão do 6º Encontro de livros de fotografia de autor Floripa na Foto – Mostra Editorial argentina La Luminosa, autores latino-americanos, que será realizado durante o 5º Festival de Fotografia Floripa na Foto de 13 a 16 de dezembro de 2017. Veja Mais 
Inscrições para as oficinas e outras informações em www.floripanafoto.com 
Fonte: Brasil Cultura

terça-feira, 14 de novembro de 2017

A Escola de Música Villa-Lobos abre inscrições para seu Curso Básico em Música

Villa-Lobos

A Escola de Música Villa-Lobos, um espaço da Secretaria de Estado de Cultura / FUNARJ, abre inscrições para seu Curso Básico em Música, com início programado para fevereiro de 2018.
O curso é ofereceido pelo convênio entre a EMVL/FUNARJ e a Associação de Músicos, Docentes e Amigos da Escola de Música Villa-Lobos (AMAVILLA).
O Curso Básico destina-se à musicalização integral do aluno, preparando a base do futuro músico, seja profissional ou amador, além de formar ouvintes mais especializados. Podem se inscrever estudantes a partir dos 13 anos (completos em 2018).
Inscrições até 8 de fevereiro de 2018
A duração total é de 4 (quatro) períodos semestrais, com possibilidade de extensão de um período. Os alunos deverão dispor de 3 (três) a 4 (quatro) horas semanais, divididas em até 3 (três) dias para frequência das aulas.
O Plano de Aulas é escolhido pelos próprios alunos, conforme a ordem de inscrição e os horários disponibilizados pela escola.
Em breve abriremos inscrições online.

Turnos:
Manhã ? das 8h às 13h
Tarde ? das 13h às 18h
Noite ? das 18h às 22h

Faixas etárias:
Menores de 18 anos: turnos da manhã e da tarde. Para o turno da noite, é necessário autorização dos responsáveis legais. A partir dos 18 anos, a escolha do turno é livre.

Instrumentos oferecidos:
Ukulelê, banjo, oboé, fagote, piano, teclado, flauta transversa, clarineta, saxofone, trombone, trompa, trompete, cavaquinho, bandolim, violão, violão de sete cordas, guitarra, baixo elétrico, violino, viola, violoncelo, contrabaixo acústico, acordeão, canto lírico, canto popular, percussão sinfônica, percussão popular e bateria.
O aluno só poderá escolher um instrumento por inscrição.

Clique aqui e confira mais detalhes sobre o Curso Básico da Escola de Música Villa-Lobos.
INSCRIÇÕES:
Poderão inscrever-se brasileiros natos ou estrangeiros com visto permanente, a partir dos 13 anos de idade.
Para se inscrever, é preciso, primeiramente, depositar a taxa de inscrição, em cota única e diretamente no caixa (não podendo ser caixa eletrônico), em qualquer agência do Banco Bradesco.
Dados para o depósito da taxa de inscrição:
Banco Bradesco
Titular: AMAVILLA
Agência: 0473-1 (Agência Sete de Setembro)
Conta corrente: 81420-2
Valor: R$ 50,00
Atenção: não há devolução desta taxa de inscrição

Após o pagamento da taxa de inscrição, o candidato deve ir à Secretaria do Curso Básico com a seguinte documentação:
Cópia de identidade do candidato;
Cópia do comprovante de residência (conta de gás, luz ou telefone fixo) no nome do candidato ou representante legal;
2 (duas) fotos 3×4 atuais, sem carimbos ou rasuras;
Comprovante de pagamento da taxa de inscrição.

Taxa semestral: R$ 820,00
O candidato poderá optar pelas seguintes formas de pagamento da taxa semestral: Débito Automático; Cartão de crédito em até 6x sem juros; ou Depósito identificado com o CPF.
Solicitação de bolsas de estudo:
O período de solicitação e renovação de bolsas de estudos para o Curso Básico tem previsão de abertura no mês de dezembro de 2017.

************************************************
Inscreva-se diretamente na Secretaria do Curso Básico.
Rua Ramalho Ortigão, 9, Centro, Rio de Janeiro / RJ

Informações: (21) 2334-9918 ramais 213 e 214
Horário de atendimento: das 8h às 18h  RIO DE JANEIRO

“VIVA! Sabores da África” leva gastronomia de três países ao Museu da Imigração SP.

DOS0jHKV4AATNz0
A cultura africana está profundamente ligada à construção da identidade brasileira e, para celebrá-la, o Museu da Imigração – instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo – reunirá representantes de três países em uma viagem de sabor e música. A próxima edição do projeto VIVA!, que acontece no dia 19 de novembro, a partir das 12h00, terá como tema a gastronomia de países africanos, reunindo as diferenças e riquezas dos pratos tradicionais do Congo, Moçambique e Marrocos. A entrada é gratuita.

Antecipando as comemorações ao Dia da Consciência Negra, a festa terá também a apresentação do grupo de imigrantes senegaleses Senegal Sunugal, às 15h00. Na sequência, às 16h00, haverá oficina de culinária com Bantu Tabasisa, representando o Congo, que trará para o evento pratos como o Makondo Na Soso Na Loso, feito com banana-da-terra, frango e arroz. Representando o Marrocos, pratos como o falafel – com grão-de-bico, alho e coentro – farão parte do cardápio. O delicioso Badjia, um bolinho de feijão, acrescenta um pouco dos sabores de Moçambique à festa.
Dia da Consciência Negra
O Dia da Consciência Negra ressalta as dificuldades e lutas vividas pela população negra no Brasil. A data, que foi escolhida como uma forma de homenagear Zumbi dos Palmares, o último líder do Quilombo dos Palmares, morto no dia 20 de novembro, é também utilizada para debater questões atuais como o preconceito racial e a discriminação, além de celebrar conquistas.
Serviço
VIVA! Sabores da África
Data: 19 de novembro
Hora: das 12h00 às 18h00 (bilheteria até as 17h00).
Entrada: Gratuita
Local: Museu da Imigração – Rua Visconde de Parnaíba, 1316, Mooca – SP.
*Local com capacidade limitada. Programação sujeita à alteração.